Basílica

08.06
Hoje é a festa do amor de Deus, diz Papa na Solenidade do Sagrado Coração de Jesus
Hoje é a festa do amor de Deus, diz Papa na Solenidade do Sagrado Coração de Jesus

No dia em que a Igreja celebra a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, 8 de junho, o Papa Francisco iniciou a homilia da Missa celebrada na Capela da Casa Santa Marta, no Vaticano, declarando que se poderia dizer que hoje é a festa do amor de Deus.

“Não somos nós que amamos Deus, mas é Ele que nos amou por primeiro, Ele é o primeiro a amar. Deus é assim: sempre por primeiro. Ele nos espera por primeiro, nos ama por primeiro, nos ajuda por primeiro”, disse o Papa.

Francisco observou que, embora não seja fácil entender o amor de Deus, trata-se de um amor sem limites. “De fato, Paulo, na Segunda Leitura do dia, fala de impenetráveis riquezas de Cristo, de um mistério escondido. É um amor que não se pode entender. Um amor de Cristo que supera todo conhecimento. Supera tudo. Tão grande é o amor de Deus! E um poeta dizia que era como o mar: sem margens, sem fundo, mas um mar sem limites. E este é o amor que nós devemos entender, o amor que nós recebemos”, explicou.

Em seguida, ele apontou como Deus manifesta o amor: “Com as grandes coisas? Não! Se rebaixa, se rebaixa, se rebaixa com gestos de ternura, de bondade. Faz-se pequeno. Aproxima-Se. E, com esta proximidade, com este rebaixamento, Ele nos faz entender a grandeza do amor. (...) Deus envia o seu Filho, mas o envia em carne e o Filho humilhou a si mesmo até a morte. Este é o mistério do amor de Deus: a grandeza maior expressa na menor das pequenezas”.

Para o Santo Padre, também assim se pode entender o caminho do cristão. “Quando Jesus nos quer ensinar como deve ser a atitude cristã, nos diz poucas coisas. (...) Não diz: ‘Eu creio que Deus seja assim. Entendi o amor de Deus’. Não, não… ‘Eu fiz o amor de Deus em pequenas coisas: dei de comer ao faminto, dei de beber ao sedento, visitei o doente, o detento’. As obras de misericórdia são justamente a estrada do amor que Jesus nos ensina em continuidade com este amor de Deus”.

Portanto, concluiu o Papa, “não são necessários grandes discursos sobre o amor, mas homens e mulheres que saibam fazer essas pequenas coisas por Jesus, para o Pai. As obras de misericórdia são a continuidade deste amor, que se rebaixa, chega a nós e nós o levamos avante”.

Rezar pelos sacerdotes

Por ocasião do Dia Mundial de Oração pela Santificação dos Sacerdotes, também celebrado nesta sexta-feira, 8, durante a Audiência Geral de 6 de junho, o Papa Francisco convidou a rezar ao Coração de Jesus e a apoiar com a proximidade e o afeto os sacerdotes, “para que sejam imagem daquele Coração repleto de amor misericordioso”.

Fonte: Amex, com Rádio Vaticano

Informativos